Acromegalia: É uma doença neurológica que leva à produção excessiva do hormônio do crescimento (GH), sendo, normalmente impulsionada pela presença de tumores na hipófise.

A acromegalia pode ser fatal, em virtude das complicações que o excesso de hormônio do crescimento pode causar. Outras doenças podem agravar o quadro da Acromegalia, como a diabetes, doenças cardiovasculares e hipertensão.

ilustracao em desenho de uma pessoa com acromegalia
 

Sinais e Sintomas da Acromegalia:

desenho das mãos comparando com quem possui acromegaliaOs portadores de acromegalia apresentam mudanças na aparência física, tais como o crescimento exagerado de mãos e pés; alargamento da região frontal e da testa; queixo proeminente; espaçamento entre os dentes e perda dentária; aumento do volume do tórax, nariz, genitais e dos lábios. Também ocorrem alterações respiratórias, cardiovasculares, gastrintestinais, metabólico-endócrinas, musculoesqueléticas, neurológicas e oftálmicas.

Quando a acromegalia acomete crianças, é chamada de gigantismo e gera uma grande deformação no crânio, pois esse ainda possui cartilagens abertas para o crescimento. Já os adultos, que possuem as cartilagens fechadas, apresentam um crescimento mais uniforme no rosto e no crânio.

 

Diagnóstico da Acromegalia:

Radiografia de mãos com acromegalia.

Primeiramente, o diagnóstico de acromegalia é clínico, porém, a confirmação da doença deverá ser realizada por meio de exames de sangue, que apontam um aumento de GH basal e de seus efetores (IGF-I).

O diagnóstico de acromegalia também deve ser feito através de exames de imagem, como a ressonância magnética de encéfalo e a tomografia computadorizada de crânio, em que se evidencie lesão tumoral na região da hipófise.

Radiografias do crânio, mãos e pés ajudam na confirmação do diagnóstico, sendo estas importantes não somente antes, mas após o tratamento da acromegalia, de modo a avaliar a diminuição das extremidades.

 

 

Tratamento da Acromegalia:

O tratamento da acromegalia pode ser realizado por meio de cirurgia, radioterapia e tratamento clínico. Na maioria dos casos o tratamento clínico de acromegalia não apresenta resultados satisfatórios, portanto, a cirurgia é a mais recomendada.

O tratamento cirúrgico da acromegalia é o mais indicado em razão dos seus altos índices de cura e menores riscos. É considerada curada quando há sucesso na retirada da lesão hipofisiária, responsável pela produção em excesso do hormônio GH, sem que ocorram lesões nas estruturas próximas à área tratada.

A radioterapia é utilizada em situações de controle das lesões, quando ocorre invasão dos tecidos adjacentes e a retirada cirúrgica não é total.


foto 3x4 do neurocirurgiao rodrigo mafaldo

Dr. Rodrigo Cadore Mafaldo
CRM: 30475  RQE: 25595

Realizou residência médica em neurocirurgia no Hospital Santa Monica, GO.
Fellowship Minimally Invasive Cranial Surgery, em Ohio State University, USA.
Advanced Technics Young Neurosurgeon – Tübingen University Germany

 

 


Dr. Gustavo Rassier Isolan
CRM: 28493 RQE: 16501

Possui graduação em Medicina pela Universidade Católica de Pelotas (1998), mestrado em Princípios da Cirurgia pela Faculdade Evangélica do Paraná (Defesa de tese em Gliomas – 2003) e doutorado em Medicina (Defesa de tese em Gliomas – Clínica Cirúrgica) pela Universidade Federal do Paraná (2005).