Dores constantes nas costas e ombros nitidamente desalinhados são sinais de escoliose. O desnivelamento de algumas estruturas corporais, como os ombros ou a pélvis, é o sinal mais explícito da doença. Dores na lombar, costas e fadiga também são sintomas comuns. O diagnóstico de escoliose é feito a partir de exames físicos, radiografias e ressonância magnética.

Em uma pessoa saudável, é possível visualizar curvaturas na coluna vertebral se a visualizarmos pela lateral, mas se vista pela frente ou pelas costas, deve ser uma linha reta. Quando é possível notar curvaturas mesmo com uma visão frontal, ocorre a escoliose. A escoliose pode derivar de uma má formação da coluna ainda dentro do útero. Falta de exercício, fraqueza muscular ou paralisia também podem provocar a escoliose.

A escolha do tratamento para escoliose vai depender da gravidade da escoliose. Curvaturas entre 25 e 30 graus pode ser tratadas com o uso de órteses, coletes que irão realinhar a coluna. O uso do colete, porém, não é eficiente nos casos de escoliose congênita.

Outra opção é a cirurgia de coluna, utilizada quando a curva ultrapassa os 40 graus. O procedimento cirúrgico corrige a curvatura e realinha os ossos utilizando hastes de metal. Pode ser necessário o uso de uma órtese em conjunto, para melhores resultados.


foto 3x4 do neurocirurgiao rodrigo mafaldo

Dr. Rodrigo Cadore Mafaldo
Especialista em Coluna Porto Alegre
CRM: 30475  RQE: 25595

Realizou residência médica em neurocirurgia no Hospital Santa Monica, GO.
Fellowship Minimally Invasive Cranial Surgery, em Ohio State University, USA.
Advanced Technics Young Neurosurgeon – Tübingen University Germany