mulher com mão na parte de baixo das costas denuncia lombalgia

O que é?

Lombalgia é o nome genérico para dor na coluna lombar, na parte de baixo das costas. As causas da dor podem ser diversas e a maioria regride espontaneamente ou com tratamento com remédios analgésicos, anti inflamatórios, relaxante muscular, bolsa térmica e diminuição na quantidade de esforço físico diário. Métodos de prevenção incluem a prática regular e orientada de atividades físicas para fortalecimento da musculatura.

Uma crise de lombalgia pode durar de uma a duas semanas quando causada por excesso de esforço. Quando acontece em determinados momentos do dia ou em intervalos de tempo específicos é importante avaliar sua postura ao sentar, levantar e caminhar. Quando a dor na lombar não passa por mais de seis semanas é preciso procurar um médico. O problema é a segunda queixa mais comum no consultório médico, perdendo apenas para o resfriado.

Causas e sintomas da lombalgia

mulher levanta caixa do chão com joelhos estendidos e a coluna dobrada, forçando a lombar e favorecendo o surgimento de lombalgiaOs sintomas da lombalgia são dores lombares que podem atingir glúteos e pernas causando formigamento, dormência, perda de sensibilidade e até espasmos musculares. A dor é classificada como mecânica, quando local ou não mecânica, quando irradiada, sendo as mais recentes identificadas como aguda e as persistentes chamadas de crônica.

Na maioria das vezes a causa da lombalgia é uma inflamação ou infecção, podendo estar relacionada até mesmo a fatores emocionais. O problema ocorre geralmente na faixa dos 35 aos 55 anos devido ao stress na coluna causado por atividades de rotina como:

– passar muito tempo sentado ou em pé;
– má postura durante o trabalho;
– carregar peso em excesso ou por movimentos errados, como curvar-se sem dobrar os joelhos para erguer objetos pesados do chão.

Tratamento da lombalgia

Quando a dor nas costas persiste por mais de seis semanas é indicado procurar ajuda profissional. O tratamento da lombalgia costuma ser feito pela médica ortopedista. É ele quem está preparado para cuidar da saúde do aparelho locomotor, incluindo ossos, músculos, ligamentos e articulações.

O ortopedista irá realizar um exame físico e avaliar o histórico de vida do paciente para identificar a causa, na maioria das vezes não há necessidade de exames de imagem, mas uma ressonância magnética pode ser solicitada. Os tratamentos convencionais podem incluir fisioterapia, quiropraxia, reeducação postural, pilates, hidroginástica e exercícios físicos, além de medicamentos prescritos pelo médico.

Quais os medicamento para lombalgia?

Analgésicos, anti inflamatórios e relaxante muscular, são os principais medicamentos para lombalgia. Demais remédios para dor nas costas só podem ser adquiridos com receita médica e podem ter efeitos colaterias graves. Caso o problema não apresente melhora é necessário agendar uma consulta médica presencial para avaliar outras possibilidades de tratamento.

Lombalgia crônica e outra complicações

raio x mostra em vermelho ponto de dor na região próximo as nádegas indicando complicação da lombalgiaQuando dura mais de três semanas a dor na lombar pode indicar uma lombalgia crônica. Algumas vezes pode irradiar para as nádegas até a porção anterior da coxa. Uma quantidade mínima dos pacientes podem apresentar comprometimento do nervo ciático (lombocialtagia), formigamento e prejuízo na locomoção.

Casos de complicação da lombalgia podem incluir artrose, protusão discal, hérnias de disco, espondilolistese, estreitamento de vértebra, bico de papagaio, fratura ou compressão nervosa. Alterações estruturais que causam desvio de coluna como escoliose, lordose e hiperlordose também podem gerar dor na lombar.

Quando a dor na região lombar não regride mesmo com tratamento médico pode ser interessante procurar uma segunda opinião ou ainda recorrer a outras especialidades como reumatologista, fisiatra ou neurologista, dependendo das causas. Nos casos de compressão nervosa, o tratamento pode demandar terapias alternativas para alongamento, fortalecimento muscular e correção da postura.

Caso ocorra agravamento dos sintomas como irradiação da dor para as pernas incluindo formigamento, dormência e perda de força pode ser necessária a realização de cirurgia, por se tratar de um problema nervoso pode ser indicado um neurocirurgião. Uma intervenção invasiva é considerada de urgência em caso de dor neuropática incapacitante que impede a realização de atividades de rotina ou quando o paciente apresenta dificuldade de controle do sistema urinário ou fecal.

Cirurgia da Coluna para lombalgia

médico avalia exame da lombar para verificar se ha necessidade de cirurgia para lombalgiaA necessidade e viabilidade de uma cirurgia da coluna para tratamento da lombalgia será avaliada em consulta presencial pelo cirurgião ortopedista ou neurocirurgião. As duas especialidades estão aptas a realizar a cirurgia de coluna lombar. Nos casos de compressão nervosa em fase aguda é interessante procurar um neurocirurgião devido a sua especialização nos problemas relacionados ao sistema nervoso central e periférico.

Na consulta presencial o médico irá avaliar a fluidez dos movimentos e o foco de cada uma das dores na região lombar. Para um diagnóstico preciso o médico irá solicitar exames de imagem para identificar a origem da dor e obter melhor visualização das estruturas internas.

Com os exames em mãos o neurocirurgião poderá definir se é possível a realização de uma cirurgia minimamente invasiva de rápida recuperação e definir um tratamento personalizado, que poderá incluir desde a simples retirada de uma hérnia de disco até a utilização de prótese para correção de um escorregamento de vértebra.

O médico, com respaldo de sua equipe, irá apresentar todas as possibilidades, incluindo os prós e contras da cirurgia, bem como de conviver com o problema e a dor. A abordagem cirúrgica costuma ser efetiva, mas as respostas ao tratamento podem variar.

O comprometimento do paciente costuma fazer toda diferença, incluindo a adoção das recomendações médicas e a prática de exercícios para fortalecimento da musculatura. A decisão final é sempre do paciente, que pode se sentir à vontade para continuar os tratamentos convencionais ou procurar uma segunda opinião.


foto 3x4 do neurocirurgiao rodrigo mafaldo

Dr. Rodrigo Cadore Mafaldo
CRM: 30475  RQE: 25595

Realizou residência médica em neurocirurgia no Hospital Santa Monica, GO.
Especialista em Cirurgia Minimamente Invasiva do Crânio pela Universidade de Ohio nos Estados Unidos da América.
Estudou Técnicas Avançadas de Neurocirurgia na Universidade de Tübingen na Alemanha

Confira os planos médicos atendidos: Consulte Convênios.