Arco de estereotaxia desenhoA Neurocirurgia Funcional é a especialidade médica que visa restabelecer a função neurológica do paciente por meio de tratamento cirúrgico. A neurocirurgia está direcionada ao tratamento de doenças relacionadas ao cérebro, abrangendo diagnósticos e cuidados dos pacientes com lesões ou doenças no cérebro, coluna, medula e nervos periféricos.

A neurocirurgia funcional realiza o tratamento clínico e cirúrgico de extensa gama de doenças. Existem diversas áreas e diferentes procedimentos na neurocirurgia.

Neurocirurgia Funcional e Doença de Parkinson:

A Doença de Parkinson é um dos distúrbios neurológicos que podem ser tratados com a neurocirurgia funcional.

Pacientes que apresentam a doença de Parkinson sofrem uma degeneração de suas células produtoras de dopamina, substância responsável pelo envio de correntes nervosas ao corpo. Com a falta dessa substância, os movimentos do paciente ficam comprometidos, causando tremores, lentidão e rigidez muscular, podendo, em alguns casos, afetar a fala.

Não existe uma cura para o Parkinson, mas é possível amenizar seus sintomas. O tratamento da doença pode ser realizado com a técnica de estereotaxia, onde é possível estimular as células produtoras de dopamina através de impulsos elétricos, controlando os tremores. É implantado um eletrodo cerebral que por meio de cabos é conectado a um gerador que fica localizado no tórax.

Esse gerador, por sua vez, produz impulsos elétricos que podem ser controlados, aumentando ou diminuindo a intensidade conforme a necessidade do paciente. Esse tipo de tratamento é indicada nos casos em que o tratamento medicamentoso apresenta falhas.

tratamento para parkinson

Neurocirurgia para Dor:

A neurocirurgia da dor é a área da Neurocirurgia Funcional que visa tratar pacientes que apresentam dores crônicas e refratárias. Assim como o Parkinson, o procedimento cirúrgico é aconselhado àqueles pacientes que não apresentaram bons resultados com medicamentos.

Em casos de dores extremas e crônicas, é necessária intervenção cirúrgica, onde os nervos periféricos são bloqueados ou eliminados, de modo a criar um adormecimento da área afetada. Dessa maneira, pode-se ter um melhor controle da dor.


foto 3x4 do neurocirurgiao rodrigo mafaldo

Dr. Rodrigo Cadore Mafaldo
CRM: 30475  RQE: 25595

Realizou residência médica em neurocirurgia no Hospital Santa Monica, GO.
Fellowship Minimally Invasive Cranial Surgery, em Ohio State University, USA.
Advanced Technics Young Neurosurgeon – Tübingen University Germany.

 

 


Dr. Gustavo Rassier Isolan
CRM: 28493 RQE: 16501

Possui graduação em Medicina pela Universidade Católica de Pelotas (1998), mestrado em Princípios da Cirurgia pela Faculdade Evangélica do Paraná (Defesa de tese em Gliomas – 2003) e doutorado em Medicina (Defesa de tese em Gliomas – Clínica Cirúrgica) pela Universidade Federal do Paraná (2005).